O REINO UNIDO REDUZIU EM 30% O CONSUMO DE CARVÃO NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA!

Por Fábio Matos

Image Credit: Karsten Würth via Unsplash

Nove anos atrás, a Grã-Bretanha produziu aproximadamente 75% de sua eletricidade utilizando gás natural e carvão. Em 2018, essa marca caiu para menos de 45%, uma transição marcante em menos de uma década. 


Aulas Particulares de Calculo, Física e Matemática”

(11) 97226-5689  Cel/WhatsApp

(11) 2243-7160  Fixo

email: fabio.ayreon@gmail.com


 Ao passo que a eficiência energética aumentou a demanda por energia diminuiu, e o Reino Unido vem produzindo menos energia desde 1994

Gráfico: Dr Grant Wilson  – Fonte: Elexon and National Grid  Get the data  Created with Datawrapper

Em 2018 o Reino Unido registrou 1898 horas sem utilizar carvão mineral (1898 coal-free hours), um salto e tanto se comparado com as 200 horas de 2016. A geração de energia a partir do carvão caiu pelo sexto ano consecutivo e o país conta com grandes períodos produção de energia livre de carvão mineral. A Grã-Bretanha já conseguiu ficar três dias sem utilizar carvão. 

Para comparar, 5% da eletricidade produzida a partir do carvão é comparável às fontes de energia solar e hidrelétrica combinadas (tabela no final do artigo). A produção de energia eólica representa 17% do total, e quando combinada com a solar esses dois recursos renováveis geram mais eletricidade que as usinas nucleares. 

No entanto, os baixos níveis de produção de energia elétrica a partir do carvão mineral mascaram a sua importância em momentos quando a demanda por energia elétrica é particularmente elevada. Por exemplo, em Fevereiro de 2018,  durante uma semana, a frente fria vinda do leste (Beast from the East), fez com que o sistema de aquecimento a gás sofresse tamanho estresse a ponto do carvão ter de suprir um quarto da eletricidade Britânica. Como a produção de energia elétrica a partir do carvão mineral está programada para se encerrar em 2025, o sistema elétrico precisa encontrar fontes alternartivas de energia que possam suprir a demanda em eventos climáticos extremos. 

Gráfico: Dr Grant Wilson  –  Fonte: Elexon and National Grid  Get the data  Created with Datawrapper

Nossas analises mostram que a produção anual de energia a partir de fontes renováveis aumentou em 27 terawatts hora (TWh) desde 2015. É impressionante se levarmos em consideração que a Usina Nuclear de Hinkley Point C produzirá a mesma quantidade de energia mas levará 9 anos para ser construída (a partir da assinatura do contrato). 

PRÓXIMOS DESAFIOS

E daqui a uma década? Será que os britânicos continurão a repetir esse sucesso que começou em 2010 e reduzir a produção de energia e o consumo de gás natural para os 30 pontos percentuais? Sob este cenário o Reino Unido terá apenas um sexto de sua eletricidade produzida a partir de combustíveis fósseis. 

Essa é uma marca possível, mas na próxima década haverá maiores desafios, por dois motivos principais: espera-se que a demanda por eletricidade aumente, e a incorporação de muitas fontes de energia renovável necessitará de mais flexibilidade.  

Para superar esses desafios, em 10 anos, serão necessários novos painéis solares, novas turbinas eólicas, novas hidrelétricas, além de fontes energéticas obtidas através do mar, maré e biomassa. Essas fontes renováveis terão de substituir 100 TWh por ano de combustíveis fósseis (cerca de 4 Usinas Nucleares Hinkley Point C). Será necessário construir um programa que será 50% maior que os últimos 9 anos. 

O desafio parece exequível devido: o contínuo desenvolvimento da produção de energia eólica em alto mar e os custos de produção das energias solar e eólica continuam caindo. O secretário de negócios e energia do Reino Unido Greg Clarke afirmou recentemente que “é provável que em meados de 2020 a energia renovavél será mais a barata e terá subsídio zero”. 

E se todos esses carros fossem elétricos? – Imagem de: Alexander Popov via Unsplash

No entanto, em algum momento na próxima década, a demanda por energia elétrica deixará de cair conforme os veículos elétricos ganharem o espaço dos veículos convencionais, e o aquecimento elétrico das residências se tornar mais popular. Tomando como indicador a demanda por transporte, em 2017, no Reino Unido, os carros e táxis viajaram 254 bilhões de milhas. Se todas essas viagens fossem feitas em veículos elétricos mais eficientes como os da Hyundai ou da Tesla a energia total consumida seria quatro vezes menor, cerca de 80 TWh. 

Esses veículos elétricos presisariam do equivalente a três Usinas Nucleares Hinkley Point C para abastecê-los durante um ano. 

Esse número, 80 TWh, é similar à atual produção de energia a partir de fontes renováveis. O Reino Unido também precisa considerar como preencher o vazio que será deixado com a perda da tributação sobre os combustíveis fósseis, cuja previsão de arrecadação será de aproximadamente 28 billões de Libras neste ano (2019). 

Carregar esses veículos aumentará a demanda em momentos de pico e haverá novos custos substanciais com as novas infraetruturas (mais postes, subestações elétricas mais potentes). Se os britânicos adotarem um sistema inteligente, as frotas de veículos elétricos poderão prover uma rede de suporte trocando seus períodos de recarga ou mesmo fornecendo eletricidade de volta para rede. Esse modelo permite a flexibilidade necessária para acomodar sistemas dependentes de muitas fontes renováis. Não é uma tarefa fácil, e precisa de boa comunicação entre veículo, proprietário e e companias de energia.  

PROGRESSO CONSTANTE

No ano de 2018, houve progresso constante na diminuição das emissões de carbono, incluindo recordes mensais para produção das energias eólica, de biomassa, hidrelétrica e solar:  


Energia renovável da Grã-Bretanha – percentual da produção mensal. – Imagem: Dr Grant Wilson

Olhando para 2019, com mais painéis solares sendo instalados, é possível que a produção de energia solar supere o carvão mineral e todas as fontes renováveis juntas forneçam mais energia que as usinas nucleares todos os meses do ano. As fontes renováveis poderão, pela primeira vez, durante um mês inteiro, produzir mais energia que o carvão e gás natural juntos. Se alguma dessas coisas vier a acontecer, teremos um outro indicador da velocidade com a qual o sistema elétrico do Reino Unido está se transformando. 

Os dados de produção de energia elétrica são da Elexon e National Grid. Dados de outras analises (como da BEIS ou DUKES) diferem devido às metodologias e informações adicionais, particularmente por incluir calor e potência combinados, e outras fontes de energia que não são monitoradas pela Elexon ou pela National Grid. Nesta análise, Renewables = eólica + solar + hidrelétrica + biomassa. 


Gráfico: Dr Grant Wilson – Fonte: based on Elexon and National Grid data  Get the data  Created with Datawrapper

Fonte: The Conversation

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *