Como a NASA soube o momento exato em que a InSight tocou o solo?

Edição e Tradução: Fábio Matos

Esta imagem mostra os Satélites Cúbicos “MarCOs” transmitindo dados do módulo de aterrissagem InSight da NASA ao entrar na atmosfera marciana. – Crédito da imagem: NASA / JPL-Caltech

Qual é o som de uma aterrisagem em Marte?

Se, no momento da aterrisagem, você estiver no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL), esse som será o mesmo de ser campeão do Super Bowl: aplausos, risos e muita gritaria. 


Aulas Particulares de Calculo, Física e Matemática”

(11) 97226-5689  Cel/WhatsApp

(11) 2243-7160  Fixo

email: fabio.ayreon@gmail.com


Mas, nos minutos que antecederam a aterrisagem, a equipe da missão InSight esteve monitorando os sinais de rádio do veículo de aterrisagem (Mars Lander’s) utilizando uma variedade de satélites e de rádio telescópios aqui na Terra para saber o que está acontecendo a 146 milhões de Km de distância. 

Como os sinais são capturados por diversos satélites que são retransmitidos para Terra de diferentes maneiras e em tempos diferentes. Significa que a equipe da missão pôde saber com exatidão o instante em que a InSight tocou o solo.

Como a NASA estava ouvindo a aterrisagem de ontem, 26 de Novembro de 2018. 

Rádio Telescópios

Conforme o veículo de aterrisagem da InSight mergulhava na atmosfera Marciana, ele transmitia sinais simples de rádio de volta para Terra. Os engenheiros estavam sintonizados em dois locais: A Fundação Nacional de Ciência de Green Bank na cidade de Green Bank, West Virginia – Estados Unidos e no Instituto Max Planck para Radio Astronomia em Effelsberg – Alemanha. Os seus resultados foram retransmitidos para o Controle da Missão no JPL (NASA) e para os engenheiros da Lockheed Martin Space em Denver no Colorado. 

Esses sinais de rádio não revelam muita coisa, mas os rádio engenheiros podem interpreta-los para traçar os principais eventos durante a entrada, descida e aterrisagem (EDL – Entry, Descend and Land) da InSight em Marte. Por exemplo, quando a InSight abre seu paraquedas, a mudança de velocidade altera a frequência do sinal. Isso é causado pelo efeito Doppler, que é o mesmo fenômeno que ocorre quando você ouve uma sirene mudar de ton quando a ambulância passa. A procura por sinais como esse permitiu que a equipe da InSight soube-se como a EDL aconteceu. 

Mars Cube One (MarCO)

Duas pequenas espaçonaves no tamanho de uma maleta cada estavam voando atrás da InSight e foram responsáveis por retransmitir seu sinal para Terra. Pertencendo a uma classe de espaçonaves chamada de CubeSats (Satélites Cúbicos), os MarCOs foram usados nessa missão e serão utilizados em futuras missões para enviar para Terra as informações durante as EDLs. 

Os MarCOs são uma tecnologia experimental. Mas eles funcionaram como o imaginado, e o par pôde transmitir o EDL durante seu desdobramento.

A InSight 

Após tocar o solo a InSight, essencialmente, gritou, “Eu consegui!” Sete minutos depois, ouvimos o satélite dizendo a mesma coisa –  só que um pouco mais alto e claro.  

No primeiro momento, a InSight se comunicou com um sinal que os rádio telescópios detectaram. No segundo momento, ela enviou um sinal mais poderoso, um “beep”,  de sua antena de banda-X, que estava apontada para Terra. Esse beep tinha um pouco mais de informações e só poderia ser ouvido se a espaçonave estivesse em perfeitas condições de funcionamento.  Como a NASA recebeu esse sinal, então a InSight sobreviveu à aterrisagem. Agora é aguardar até o começo da noite para saber se ele liberou os painéis solares com sucesso. 

Orbitador de Reconhecimento Marciano (MRO)

Além dos Satélites Cúbicos (MarCO) o MRO sobrevoou Marte, gravando informações da InSight durante a descida. 

O MRO enviou os dados gravados durante a EDL para que os engenheiros possam juntar todas as informações obtidas durante a descida. 

2001 uma Odisséia Marciana

A espaçonave mais velha da NASA em Marte também transmitiu a informação de que a InSight havia aterrissado. A Mars Odyssey retransmitiu todo a história da descida da InSight em Marte, assim como algumas imagens. Ela também confirmou se os painéis solares se abriram. 

A Mars Odyssey também ajudará a retransmitir as informações da InSight durante as operações de superfície, junto com o MRO, a missão de Evolução da Volatilidade da Atmosfera Marciana da NASA (MAVEN) e o Orbitador de Vestígios de Gases da Agência Espacial Européia. 

Sobre a InSight

O JPL gerencia o projeto InSight para o Diretório de Missões Científicas da NASA. O InSight faz parte do Grupo de Descobrimento da NASA, gerenciado pelo Centro de Vôos Espaciais da agência em Huntsville, Alabama. A Lockheed Martin Space, construiu a espaçonave InSight, incluindo seus estágios de cruzeiro e aterrissagem, e dá suporte às operações de espaçonaves para a missão.

A number of European partners, including France’s Centre National d’Études Spatiales (CNES) and the German Aerospace Center (DLR), are supporting the InSight mission. CNES provided the Seismic Experiment for Interior Structure (SEIS) instrument, with significant contributions from the Max Planck Institute for Solar System Research (MPS) in Germany, the Swiss Institute of Technology (ETH) in Switzerland, Imperial College and Oxford University in the United Kingdom, and JPL. DLR provided the Heat Flow and Physical Properties Package (HP3) instrument, with significant contributions from the Space Research Center (CBK) of the Polish Academy of Sciences and Astronika in Poland. Spain’s Centro de Astrobiología (CAB) supplied the wind sensors.

Contando com um grande número de parceiros Europeus, incluindo France’s Centre National d’Études Spatiales (CNES) e o Centro Aeroespacial Alemão (DLR), que estão dando apoio à missão. O CNES que forneceu o instrumento para o Experimento Sísmico para Estruturas Interiores (SEIS), com significativas contribuições do Instituto Max Planck para Pesquisas do Sistema Solar (MPS) na Alemanha, o Instituto Suíço de Tecnologia (ETH) na Suíça, Colégio Imperial e a Universidade de Oxford no Reino Unido, a o JPL. O DLR forneceu as Propriedades Físicas e o Fluxo de Calor dos instrumentos  (HP3), com contribuições significativas do Centro de Pesquisas Espaciais (CBK) da Academia Polonesa de Ciências e Astronomia da Polônia. O Centro Espanhol de Astrobiologia (CAB) forneceu os sensores de vento.    

Fonte: https://mars.nasa.gov/insight/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *